"Olympia" - Édouard Manet
Pular para o conteúdo principal

“A arte é o espelho da pátria. O país que não preserva os seus valores culturais jamais verá a imagem de sua própria alma.” - Chopin

Destaque

#21 bandeiras de países feita no Cubo Mágico ¦ #RubiksCube

Neste vídeo ensino fazer 21 bandeiras de países no #CuboMágico. Os países são: Omã, Argélia, Andorra, Austrália, #Brasil, Camarões, República do Congo, Japão, #Portugal, França, Itália, Argentina, Estados Unidos, Costa do Marfim, Índia, Irã, Mongólia, Niue, Espanha, Suíça e Togo.







Playlist com mais de 100 bandeiras ► https://www.youtube.com/playlist?list...
Instagram ► https://www.instagram.com/amoes3.14159

Depois de descobrir como resolver um Cubo Mágico, você pode ficar se perguntando o que fazer com ele. Por que não praticar suas manipulações e ao mesmo tempo ter lições de #geografia fazendo a bandeiras?

Pesquise aqui

"Olympia" - Édouard Manet

Aprenda fazer bandeiras dos estados brasileiro no Cubo Mágico


 "Em 1865, o quadro "Olympia", do pintor Edouard Manet, pai do impressionismo, foi recusado pelo Salão de Belas Artes de Paris. Exposto então no Salão dos Recusados, "Olympia" provocou escândalo sem precedentes. O quadro retratava uma mulher nua deitada na cama, enquanto uma criada negra lhe traz flores e um gato preto, aos pés da moça, nos encara do canto direito da tela. Além de mal pintado, um borrão de cores, atentado à boa pintura de uma época neoclássica, paródica e acadêmica, "Olympia" foi acusado também de indecente e pornográfico. Jornalistas e escritores zombavam de Manet, professores e estudantes de Belas Artes indignavam-se com ele, mães de família em passeatas cobriam o quadro para que não fosse visto. Paris inteira linchava "Olympia".
Somente o escritor e jornalista Émile Zola ousou defender publicamente o pintor e sua obra. Num artigo em que anunciava o nascimento de uma nova arte e de uma nova moral na produção artística francesa, Zola só lamentava a presença do gato preto no canto da tela que, segundo ele, servia apenas como ornamento desnecessário, elemento de distração no rigor poético da composição. Diante do clamor geral, o diretor de seu jornal exigiu que Zola se retratasse e, como o escritor se recusasse a fazê-lo, foi despedido e viu as portas de todos os jornais franceses se fecharem para ele. Manet, como agradecimento por seu gesto, pintou-lhe então um retrato que se encontra exposto no Museu d"Orsay, ao lado do "Olympia".

Texto de Cacá Diegues, publicada no jornal "O Globo", em 2010 



As 10 mais da semana